Conhecendo melhor os caminhos para a escolha profissional!

26 mar

Professora: Natalie de Castro Almeida¹

Olá meninas e meninos prestes a uma escolha profissional!

Vamos pensar um pouquinho sobre essa etapa de vida de vocês e cá entre nós, uma passagem um tanto complicada! Todos os dias você deve estar se perguntando: o que eu quero fazer para o resto da minha vida? Ou seja, o que torna essa escolha, de muita responsabilidade para todas (os) jovens e para suas famílias também, pois afinal todo mundo escolhe e auxilia nessa decisão em conjunto!

Agora convido a todos (as) a lerem e refletirem sobre alguns aspectos de extrema relevância que precisamos pensar e analisar, quando estamos pensando em escolher o que mais me agrada e o que mais eu tenho aptidão para desempenhar como uma profissão, além disso, sendo algo que irei fazer de maneira feliz!

Então você que está com idades entre 12 e 18 anos, primeiro de tudo temos que assumir que passar pela adolescência já não é uma tarefa muito simples, muitas modificações corporais, emocionais, relacionais acontecendo. Mas para você que está com mais de 18 anos e ainda não definiu sua escolha, pode estar se perguntando: ainda não sei o que quero escolher? Estudos recentes vem nos mostrando através de pesquisas no Brasil, que a adolescência está mais tardia nos dias de hoje, então até os 25 anos ainda estamos no processo natural de escolher o que quer ser profissionalmente. Após entendermos todo esse processo biopsicossocial ocorrendo e que ele é natural, agora vamos pensar em questões importantes para fazer uma bela escolha!

Hoje as possibilidades de áreas profissionais são variadas e formações acadêmicas cada vez mais bem preparadas, aguardando seus (suas) alunos (as) virem estudar e se especializar. Dessa forma, a escolha não se torna mais fácil pela variedade, pelo contrário, fica mais difícil com tantas coisas e cursos que são de sua afinidade. Essa multiplicidade acontece porque temos vontades internas e influências que são externas, elas podem vir de nossos familiares, da sociedade, de amigos (as), da mídia, dos (as) nossos (as) professores (as), enfim, de qualquer contato que temos fora nos nossos próprios sentimentos. Muitas vezes essas questões internas e externas entram em choque, fazendo com que a dúvida se torne mais forte e evidente. Portanto, para que isso não aconteça é bem importante que familiares e amigos (as) deixem as pessoas bem tranquilas e sem pressioná-las para que façam: curso X porque ganha melhor, curso Y porque seu avô queria ver você formado nessa profissão ou curso Z porque não precisa morar fora e isso sua mãe acha que você não é maduro (a) o suficiente para encarar! Esses são exemplos bem fáceis de encontrarmos entre jovens buscando o melhor curso de graduação.

Para que a escolha aconteça de maneira harmoniosa, sem sofrimentos, livre de ansiedades e sensação de frustração, é necessário pensar de forma bem organizada sobre seus gostos e habilidades, pois de nada adianta você adorar animais e querer salvá-los, se não tem coragem de usar uma seringa ou bisturi, desta forma não será possível ser um (a) médico (a) veterinário (a), por exemplo, ou também idealizar cursar oceanografia para cuidar dos mares e tentar salvar as espécies marinhas e a água que o ser humano tem destruído, se você tem medo de aprender a nadar e enfrentar as profundezas do mar. Resumindo, precisamos pensar e analisar nossos desejos e nossas capacidades de desempenhar funções que até hoje não exercemos e para que isso seja possível precisamos acima de tudo nos conhecer muito bem, podendo unir então: o que gosto, o que tenho desejo, o que tenho mais afinidade, o que tenho mais facilidade, o que o mercado de trabalho me proporciona como espaço profissional e acima de tudo: O QUE ME FARÁ REALIZADO (A) PESSOAL E PROFISSIONALMENTE!

Algumas dicas importantes que talvez possa te auxiliar a refletir sobre essas questões: procure apoio de uma pessoa da área da psicologia para que possa lhe fazer entender melhor esse processo emocional, busque bastante leitura sobre essas temáticas que analisamos até aqui, e acima de tudo, mantenha a calma e pense que  se a sua escolha ainda não foi definida talvez seja porque ainda não tenha a melhor resposta, respeite o seu momento e se permita aguardar um pouco mais para decidir!

Desejo boa sorte a vocês e que suas escolhas sejam de autorrealização!

1 Psicóloga (CRPPR 14.288) e professora dos cursos de Psicologia, Fisioterapia, Nutrição nas Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, União da Vitória PR, Brasil. Graduada em Psicologia, Graduanda em Pedagogia, Perita em Psicologia do Trânsito, Pós-graduada em Neuropsicologia, Especialista em Psicologia do Trânsito, Aluna especial em disciplinas isoladas no Mestrado Prof-Filosofia. Email para contato: prof_natalie@uniguacu.edu.br.