Uniguaçu apresenta projeto de Centro de Educação Ambiental para Polícia Militar Ambiental

09 mar

A parceria foi firmada em 2019 com o intuito de implementar um Centro de Educação Ambiental no município de Canoinhas

 

Na última semana ocorreu a apresentação do Projeto de Cooperação do Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo (EMAU) e Escritório Modelo de Engenharia Civil (EMEC) do Centro Universitário Vale do Iguaçu em parceria com a 3ª Companhia do 2º Batalhão de Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina para auxílio na elaboração dos projetos para implantação de um Centro de Educação Ambiental (CEA) em Canoinhas (SC).

A implantação de um CEA na 3ª Cia / 2º BPMA tem como objetivo formar cidadãos ativos e conscientes, com intuito de formar uma sociedade pautada, principalmente, pelo conceito de desenvolvimento sustentável, contribuindo assim para a melhoria do meio ambiente e das condições de vida nos municípios da região.

Os acadêmicos Claudeci Araújo Ribeiro Martin, Criscieli Ritter e Ricardo Sereniski são membros do EMAU e participaram desde o início de todo o projeto. A professora Bruna Maidel, arquiteta responsável pelo EMAU, juntamente com o professor Osmar de Carvalho Martins, engenheiro responsável pelo EMEC, também deram suporte para que ocorresse todo planejamento e criação do projeto, desde as estimativas conforme as áreas, até a sua estrutura e sustentação.

Segundo a equipe, a ideia foi montar um espaço educativo para trabalhar com atividades de exposição que mostrem os impactos relacionados ao meio ambiente. As iniciativas do projeto visam reduzir os impactos da construção civil, fazendo o uso de materiais de origem biológicas. Tendo em vista a sustentabilidade, o prédio foi pensado como autoeducativo, sendo aplicado na edificação materiais que permitem diversas disponibilidades.

A professora Bruna Maidel comenta que o projeto foi idealizado para que tivesse um impacto reduzido no local onde será inserido, não provocando movimentações de terra ou retirando as árvores presentes no local, e que utilizasse os materiais de maneira racional, priorizando um desenho modular e desse preferência para o uso de materiais naturais e não processados industrialmente, tal como a madeira, o bambu e o adobe, que são os tijolos de terra. “Ainda é relevante destacar que o uso da madeira e do bambu pela construção civil provoca uma redução das emissões de gases do efeito estufa, em virtude do estoque de carbono que as árvores fazem durante o seu processo de crescimento e, consequentemente, reduzindo o impacto total da construção de novas edificações”, complementa Bruna.

Além disso, priorizou-se trabalhar toda a edificação em um único nível, permitindo que a acessibilidade, uma das premissas do projeto, fosse atingida. O Centro Ambiental é um espaço de práticas diversificadas que tem o intuito de ser um local de referência em atividades educativas e espaços expositivos ligados às práticas humanas e seu impacto no ambiente natural. Desta maneira, o Centro Ambiental está separado em três setores: o educacional, o expositivo ou de museu e o administrativo. O espaço deve receber um público diversificado, que vai desde as escolas, com a educação ambiental, até os idosos, por meio das exposições e trocas com a comunidade.

Segundo o Major da Polícia Militar Ambiental, Fernando Luiz Lopes, o projeto do Escritório Modelo ficou simplesmente sensacional. “Os professores e acadêmicos conseguiram sintetizar exatamente a ideia original e deram vida ao que planejamos no papel: unir uma área educacional junto a estrutura que respeite o meio ambiente. Nosso desafio agora diz respeito a captação dos recursos para a concretização deste sonho.”

A Uniguaçu se orgulha em estar fazendo parte de mais um projeto que visa ampliar os conhecimentos da população e se tornará um centro de visitação regional. Projetos e parcerias desta natureza mostram a importância do meio acadêmico para a comunidade. Cada vez mais a marca Uniguaçu mostra a sua força e o seu trabalho, intensificando a educação ambiental e proporcionando aos acadêmicos a prática e a concretização das atividades desenvolvidas.

Estiveram presentes também na apresentação do projeto a coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo, professora Paula Vaccari Toppel, o Promotor de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina, Renato Maia de Faria, o Cabo PM Mayer e o Sub-Tenente PM Ribas.